Projetos

2CN-CLab

O 2CN-CLab (Cultural Cooperation Networks – Creative Laboratory) foi criado, no âmbito do projeto “Redes de Cooperação Cultural: Portugal europeu, lusófono e ibero-americano” (SFRH/BPD/101985/2014), com o objetivo de promover a discussão crítica e construtiva sobre as redes culturais e, desta forma, sensibilizar e potenciar a capacitação dos envolvidos para a participação qualificada em organizações desta natureza.

O 2CN-CLab foi pensado como espaço itinerante para permitir que a discussão sobre a temática das redes culturais seja mais próxima dos profissionais e das organizações do setor cultural, possibilitando uma participação mais ativa dos principais destinatários do projeto. Tendo em consideração o público-alvo, definiu-se que, para a implementação do 2CN-CLab, o mais adequado seria realizar inicialmente ações de curta duração, utilizando uma abordagem informal, exploratória e transdisciplinar, para, posteriormente, realizar ações mais prolongadas no tempo aplicando metodologias inspiradas no design thinking e na investigação-ação. O formato das ações incluídas no 2CN-CLab é muito flexível pois varia, nomeadamente, em função do contexto onde são promovidas, podendo ser: sessões mais teóricas em jeito de conferências, palestras e seminários; sessões de partilha de experiências como debates, grupos de discussão e mesas-redondas; ou sessões eminentemente práticas de formação-ação de apoio à avaliação, ao desenho e à implementação de projetos em rede.

O 2CN-CLab foi dinamizado de forma experimental no ano de 2016 na Península Ibérica com a realização, entre janeiro e dezembro, de um total de quinze ações de curta duração (regra geral meio dia), co-promovidas com catorze instituições de ensino superior e centros de investigação de Portugal e Espanha. As ações contaram com a presença de 444 estudantes, docentes, investigadores e profissionais do setor cultural originários do Brasil, Espanha, Itália, México, Polónia e Portugal.

No âmbito do 2CN-CLab 2017 realizaram-se, entre junho e dezembro, um total de dezasseis ações no Brasil (umas Jornadas e quatro Talks), em Espanha (duas Talks) e em Portugal (três Jornadas e seis Talks), que contaram com a intervenção/participação de um total de 540 estudantes, docentes, investigadores e profissionais do setor cultural.

Para o ano de 2018 está prevista a dinamização de quatro tipologias de ações, a saber:

2CN-CLab TALKs “Cultura, Redes e Política”, que visam, independentemente das entidades co-promotoras e dos locais onde decorrem, a realização de conversas informais, mas consequentes, sobre aspetos relacionados com a cultura (nos seus mais variados domínios, funções ou dimensões), com as redes (enquanto estruturas organizacionais horizontais, policentradas e multilaterais, que podem potenciar o trabalho no setor cultural) e com a política cultural (enquanto campo de ação individual e coletivo, público e privado).

2CN-CLab Working Days, que são encontros de trabalho em torno de alguns documentos, nacionais e internacionais, considerados como basilares para os profissionais do setor cultural do século XXI. A seleção dos documentos objeto dos Working Days é efetuada pela equipa do projeto em articulação com os co-promotores. Cada Working Day destina-se a um grupo restrito de 20 profissionais e futuros profissionais do setor cultural (público e/ou privado), que se reúne durante um dia para, por um lado, analisar e discutir criticamente o documento selecionado e, por outro lado, tentar identificar pontos de afinidade entre os elementos do grupo que, à luz das suas práticas e do espírito do documento e do 2CN-CLab, permitam o desenvolvimento de projetos culturais em rede ou a consolidação de projetos em curso.

Jornadas 2CN-CLab “Cultura, Cooperação e Redes”, que visam, por um lado, convocar os protagonistas do setor cultural para participarem ativamente no processo de reflexão e diálogo sobre as redes culturais através da apresentação e discussão de experiências práticas e, por outro lado, promover o diálogo entre os agentes do setor cultural. Nas Jornadas Temáticas o foco é o trabalho em rede num domínio cultural específico a selecionar pelas entidades co-promotoras e nas Jornadas Territoriais o fio condutor são as práticas de trabalho em rede num determinado território.

Programas de Formação-Ação “Redes Culturais: Cooperação e Internacionalização”, que têm a duração mínima de 128 horas (64 horas de formação + 32 horas de consultoria + 32 horas de consultoria formativa) em cada um dos territórios aderentes. Apesar de haver uma estrutura pré-definida, os programas de formação-ação são desenhados especificamente em função do contexto onde vão ser implementados.

Equipa 2CN-CLab: Manuel Gama (Coordenação Geral); Helena Sousa, Maria Immacolata Vassallo de Lopes & Xosé López Garcia (Comissão Científica); Fernanda Pinheiro (Técnica de Investigação, CECS-UM); Clemência Matos (Produção Executiva, Dois Pontos Associação Cultural).

O calendário das ações realizadas e a realizar encontra-se disponível no site do 2CN-CLab.

Para obter mais informações não hesite em contactar-nos (2cn.clab@gmail.com).

2CN-CLab

Redes de Cooperação Cultural Transnacional: Portugal europeu, lusófono e ibero-americano

“Redes de Cooperação Cultural Transnacionais: Portugal europeu, lusófono e ibero-americano” é um projeto de pós-doutoramento que está a ser desenvolvido, com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (SFRH/BPD/101985/2014) desde fevereiro de 2015, em Portugal no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho (CECS-UM), em Espanha na Faculdade de Ciências da Comunicação da Universidade de Santiago de Compostela (FCC-USC) e no Brasil na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

O projeto tem como objetivo principal fomentar práticas qualificadas de trabalho em rede em profissionais e organizações do setor cultural, apoiando a aquisição de aptidões, competências e conhecimentos que concorram para facilitar o acesso mais generalizado às oportunidades profissionais e para promover a cooperação cultural nacional e transnacional.

Para se atingir o objetivo macro enunciado, foram definidos cinco específicos para o projeto de investigação:

  1. Estudar os principais modelos internacionais de redes de cooperação cultural nacionais e transnacionais;
  2. Mapear as redes culturais existentes em Portugal;
  3. Analisar as relações, internas e externas, estabelecidas nas redes de cooperação cultural portuguesas identificadas;
  4. Analisar o processo e a estratégia de comunicação das redes de cooperação cultural portuguesas identificadas;
  5. Identificar e apresentar as condições para o estabelecimento de um ambiente potenciador para a promoção de redes de cooperação cultural em contexto nacional e para a participação dos profissionais e das organizações do setor cultural portugueses em redes transnacionais.

Para cumprir os cinco objetivos específicos foram definidas quatro tarefas com as seguintes designações:

  1. Boas Práticas Internacionais de Redes de Cooperação Cultural Transnacionais;
  2. Redes Culturais Portuguesas;
  3. Densidade e Expressividade das Redes de Cooperação Cultural Portuguesas;
  4. Dinâmica e Transnacionalidade para as Redes de Cooperação Cultural.

Todas as informações sobre o projeto de investigação, nomeadamente a articulação entre os objetivos específicos e as tarefas, bem como as etapas de cada tarefa, podem ser consultadas nas plataformas online do projeto.

Equipa

Site do projetoSite das Redes NacionaisSite das Redes TransnacionaisSite do 2CN-CLab

Políticas de comunicação, radiodifusão pública e cidadania: subsídios para o desenvolvimento sociocultural de Portugal e do Brasil

O projeto “Políticas de comunicação, radiodifusão pública e cidadania” resultou de uma parceria entre a Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília e o Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, que assim procuraram estabelecer relações de cooperação científica e contribuir para o intercâmbio de investigadores em formação avançada. O plano de trabalhos teve como objetivo principal problematizar os desafios que se colocam hoje à radiodifusão pública no espaço luso-brasileiro em contexto de adaptação da produção, difusão e acesso a conteúdos mediáticos em novas plataformas digitais.

Organizado em quatro eixos principais, este projeto procurou contribuir para a produção de conhecimento na esfera das linhas de investigação dos dois grupos envolvidos e fortalecer a formação avançada de recursos humanos nas seguintes áreas:
– novas tecnologias;
– políticas de comunicação e conteúdos mediáticos;
– participação, cidadania e educação para os média.

Equipa portuguesa: Madalena Oliveira (coordenadora); Felisbela Lopes, Luís António Santos, Sara Pereira, Pedro Portela, Teresa Costa Alves, Ivo Neto e Clarisse Pessoa

Equipa brasileira: Fernando Oliveira Paulino (coordenador); Nelia del Bianco; Carlos Eduardo Esch; Elen Geraldes; Murilo César Ramos; Mariana Martins de Carvalho; Sérgio Ribeiro e Flávia Rocha

Financiamento: FCT/Capes

Período de desenvolvimento: 2014-2016

Link do projeto

Surgimento e desaparecimento de títulos da imprensa escrita no Portugal contemporâneo

Este projeto teve o propósito de analisar o cenário em mudança da imprensa portuguesa contemporânea e aferir os fatores que tanto impulsionaram o lançamento de novos títulos como motivaram as falências e encerramentos de outros. Tal análise permitiu retirar algumas ilações acerca dos sucessos e insucessos da imprensa escrita. Na prossecução desse objetivo, foi constituída uma base de dados das entradas e saídas do mercado da imprensa escrita no país durante a era democrática.

O período de análise, desde 1974 a 2009, permitiu avaliar e contrastar três períodos distintos do sistema de imprensa português: a) o pós-ditadura que integra o estabelecimento das liberdades básicas, a abolição da censura, a nacionalização dos media propriedade de grupos económicos e entidades com ligações estreitas ao antigo regime; b) a privatização e comercialização da imprensa que decorre dos anos 1980 após a acessão à Comunidade Económica Europeia até à década de 90 caracterizada pela reprivatização dos títulos detidos pelo Estado, a liberalização do sistema mediático e consolidação dos grupos de comunicação portugueses; c) o impacto da digitalização e convergência multimédia do início do século XXI até 2009 quando o mais recente título da imprensa portuguesa foi lançado – o jornal ‘i’, um período assinalado pelos esforços de inovação e investimentos sem precedentes em reestruturar e adaptar os jornais, e alterar os procedimentos de recolha e disseminação da informação.

Equipa: Rui Novais (coordenador)

Financiamento: FCT [Refª PTDC/CCI-COM/122387/2010]

Período de desenvolvimento: 2012-2014

A regulação dos média em Portugal

O projeto de investigação “A Regulação dos Media em Portugal: O Caso da ERC” foi desenvolvido no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da Universidade do Minho entre 2010 e 2013 por um conjunto de investigadores cujos interesses se centram em áreas como a das Políticas da Comunicação, do Jornalismo e da Educação para os Média.

O projeto teve como objetivo ser um contributo aprofundado para o estudo da regulação dos meios de comunicação em Portugal bem como da sua integração na cena internacional. Para tal, contou com a colaboração, por intermédio da Investigadora Responsável, Helena Sousa, com o EuroMedia Research Group. Esta linha de investigação foi desenvolvida em duas frentes: através da análise comparativa de outros organismos reguladores de diversos países e tendo como referência o papel de alguns dos principais atores em matéria de políticas da comunicação (como a UNESCO ou o ITU). O foco principal da sua análise foi o desempenho da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), o organismo que regula o setor desde 2005, não descurando o papel das entidades que ao longo dos anos escrutinaram a atividade dos média.

Equipa: Helena Sousa (coordenadora), Manuel Pinto, Felisbela Lopes, Joaquim Fidalgo, Stanislaw Jedrzejewski, Elsa Costa e Silva, Ana Melo, Sergio Denicoli, Luís António Santos, Mariana Lameiras e Marta Eusébio Barbosa

Financiamento: FCT (Refª PTDC/CCI-COM/104634/2008]

Período de desenvolvimento: 2010-2013

Site do projeto

Jornalismo televisivo e cidadania: os desafios da esfera pública digital

A informação televisiva é um excelente lugar a partir do qual podemos avaliar a vitalidade do espaço público e conhecer as (re) configurações por que passa o campo jornalístico. Este projeto assumiu-se enquanto observatório vocacionado para analisar a responsabilidade social da televisão na promoção da cidadania e, simultaneamente, para pensar as fronteiras do campo jornalístico, decorrentes de uma programação que dá sucessivos sinais de abertura à participação do público. O plano de trabalhos procurou saber quem são os convidados dos plateaux de informação e quais as formas de jornalismo participativo que a TV abre aos telespectadores.

Equipa: Felisbela Lopes (coordenadora), Luís António Santos, Manuel Pinto, Helena Sousa, Luís Miguel Loureiro, Fábio Ribeiro e Ivo Neto

Financiamento: FCT [Refª PTDC/CCI-JOR/099994/2008]

Período de desenvolvimento: 2010-2013

Estudo sobre o porte-pago e incentivos à imprensa

No âmbito do Protocolo de cooperação técnica e científica, celebrado no dia 30 de Abril de 2009, entre o Gabinete para os Meios de Comunicação Social (GMCS) e a Universidade do Minho (UM), o Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade levou a cabo, entre os dias 2 de Maio e 31 de Outubro de 2009, o desenvolvimento de um modelo de avaliação da política de incentivo à leitura (anteriormente designada de ‘porte pago’). Este projeto de investigação exigiu um trabalho substantivo de recolha documental que implicou a interação com vários órgãos de comunicação social e com as seguintes instituições:  Entidade Reguladora para a Comunicação Social, Instituto Nacional de Estatística, Observatório da Comunicação e Marktest.

Equipa: Manuel Pinto e Helena Sousa (coordenadores), Felisbela Lopes, Joaquim Fidalgo, Luísa Teresa Ribeiro, Rui Passos Rocha e Marta Eusébio Barbosa

Financiamento: Gabinete para os Meios de Comunicação Social

Período de desenvolvimento: maio a outubro de 2009

Mediascópio: estudo da reconfiguração do campo da comunicação em Portugal

Este projeto teve como objetivo recolher, catalogar, organizar e analisar o que de mais relevante vai sendo dito sobre os média nos próprios média, com isso procurando identificar tendências, descortinar linhas evolutivas, perceber sinais de cristalização ou, inversamente, de mudança – e, assim, contribuir para uma melhor compreensão das linhas de força que se entrecruzam nos diversos campos da comunicação pública, bem como dos novos rumos que ela vai trilhando em cada momento deste nosso tempo em tão acelerado movimento.

Equipa: Manuel Pinto (coordenador), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Felisbela Lopes, Sandra Marinho, Luísa Teresa Ribeiro, Sara Moutinho, Ana Melo, Alberto Sá e Madalena Oliveira

Financiamento: FCT [Refª POCTI/COM/41888/2001]

Período de desenvolvimento: 2002-2005

Blogue do projeto