Presença de mulheres nos cargos de poder político, de decisão e de gestão na área da cultura em Portugal

Crédito da imagem: Katia Zelo

A par das questões culturais, a Agenda 2030 é atravessada por dinâmicas de desenvolvimento e sustentabilidade, procurando promover a paz, a prosperidade e o bem-estar dos seres humanos, buscando incentivar condições de progresso, inclusão e igualdade. Neste sentido, cedo se tornou óbvio que as problemáticas relacionadas com o género estão explicitamente incluídas na Agenda 2030 e devem ser refletidas e analisadas à luz do documento, até porque emergem no ODS 5 – Alcançar a igualdade de género e empoderar todas as mulheres e raparigas. Em vez de um único indicador, a igualdade de género atravessa as 4 dimensões temáticas e os 22 indicadores para a cultura na Agenda 2030.

Seguindo as linhas de cruzamento entre a cultura e as questões de género presentes na Agenda 2030, e antecipando que, em Portugal, há necessidade de analisar a interseção destas duas dimensões com a dimensão política, a equipa do Observatório de Políticas de Ciência, Comunicação e Cultura da Universidade do Minho (PolObs) procura lançar um olhar sobre a presença das mulheres nos cargos políticos de poder, de tomada de decisão e de gestão, particularmente na área da cultura.

No âmbito deste projeto, importa perceber qual a presença efetiva das mulheres em cargos de poder político, de decisão e de gestão, distintamente na área da cultura, no contexto nacional. Na determinação deste macro objetivo, levantam-se algumas questões estruturais: se as mulheres começam a ganhar lugar no contexto político português, será que as políticas para a cultura também começam a ganhar uma envolvência no feminino? Qual a proporção de mulheres que estão em lugares de decisão política na cultura? Quem são estas mulheres? Os interesses e as preocupações delas têm espaço na agenda? As estruturas culturais apresentam algumas diferenças pela gestão no feminino? Que diferença faz uma mulher na gestão pública da cultura?

Para responder a estas questões, uma equipa multidisciplinar do POLObs considerou relevante e pertinente realizar este estudo sobre a presença de mulheres nos cargos de poder político, de decisão e de gestão na área da cultura em Portugal, estruturado em três dimensões principais:

  • Dimensão 1 – Presença de mulheres nos cargos de poder político na área da cultura;
  • Dimensão 2 – Presença de mulheres nos cargos de decisão na área da cultura;
  • Dimensão 3 – Presença de mulheres nos cargos de gestão na área da cultura.

O desenvolvimento do estudo terá como base uma metodologia que conjugará uma abordagem qualitativa com uma abordagem quantitativa e integrará instrumentos e técnicas diversificadas, que a seguir se elencam em função dos objetivos anteriormente fixados.

Equipa do projeto:

Sara Vidal Maia (Investigador Responsável)

Manuel Gama (Co-Investigador Responsável)

Cláudia Dominguez

Joana Almada