Públicos da Cultura de Braga: 2º semestre de 2020

Quarenta e dois anos depois de ter sido lançada a iniciativa que esteve na origem da atual ação da União Europeia intitulada “Capitais Europeias da Cultura” (ação) e cujas linhas orientadoras estão definidas até ao ano de 2033, Portugal vai, depois de Lisboa 1994, de Porto 2001 e de Guimarães 2012, ter mais uma cidade com o título de Capital Europeia da Cultura. A ação visa o desenvolvimento de um programa cultural anual com uma forte dimensão europeia, que, entre outros, integre a participação de artistas e organizações culturais locais e que concorra, nomeadamente, para alargar o acesso e a participação na cultura.

Retirando algumas investigações realizadas com a finalidade principal de obtenção de graus académicos (mestrado ou doutoramento) e de alguns estudos de grandes eventos culturais, de organizações e de municípios em particular, a análise dos públicos da cultura ainda não é uma prática ancorada em Portugal.

Por tudo isto, o POLObs considera relevante e pertinente que os municípios que estão a preparar a candidatura a CEC2027 possuam um retrato profundo dos seus públicos da cultura.

Partilhando da mesma perspetiva, no contexto da estratégia Braga Cultura 2030 e da candidatura de Braga a Capital Europeia da Cultura 2027, o Município de Braga encomendou ao POLObs um estudo de públicos com os seguintes objetivos:

  • analisar as estratégias de equipamentos e de eventos culturais âncora para o diálogo, o envolvimento, a fidelização, a captação e a formação de públicos;
  • traçar o perfil dos públicos da cultura do concelho de Braga;
  • identificar públicos potenciais no território;
  • estudar o grau de satisfação sobre as dinâmicas culturais municipais.